domingo, 30 de junho de 2013

DESABITAR

Sinta, senhora, na noite quente,
em abafado quarto, a brisa refrescante
pela janela aberta ao poente; esqueça,
senhora, da tarefa: sirva-se de chá
e aguarde o tempo necessário
ao aroma se afastar em reingresso.

Veja, senhora, com suas órbitas
desfocadas, o que resta da imagem
sobre a cama. Na quietude do dia
alvorecido, diga do consolo
dos que partem. Saiba, senhora,
em mãos despetaladas, do abandono
do corpo agora desabitado.

(Pedro Du Bois, inédito)

Um comentário:

  1. Gratíssimo, Sodré, por mais esse destaque. Abraços e boa semana, Pedro.

    ResponderExcluir